História do Brasil

A Revolução Constitucionalista de 1932 – Era Vargas

A Revolução Constitucionalista de 1932 – Era Vargas (Revolução de 1930)

A oligarquia paulista não aceitou sua marginalização, principalmente com a indicação do tenente pernambucano João Alberto como interventor de São Paulo.

Para melhor enfrentar o Governo Federal, foi formada em São Paulo a FUP (Frente Única Paulista) representada pela Aliança do PRP (Partido Republicano Paulista) e do PD (Partido Democrático).

Os Paulistas Exigiam:

  • A nomeação de um interventor civil paulista para governar São Paulo;
  • Uma nova constituição para o Brasil.

O Governo de Getúlio Vargas cedeu à primeira reivindicação, nomeando Pedro de Toledo como interventor de São Paulo. Mas a segunda reivindicação condicionou-se a convocação de uma constituinte o que ocorreria no ano seguinte. Getúlio Vargas sabia que a “normalização democrática” pretendida pelos paulistas, era aquela que possibilitaria às oligarquias o controle do processo eleitoral, garantindo-lhes a perpetuação no poder.

As manifestações continuaram e no dia 23 de maio de 1932 a reação contra um grupo de estudantes culminou com a morte de quatro jovens: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, origem do movimento M.M.D.C.

No dia 09 de julho de 1932 iniciou a luta armada. A chefia militar coube ao General Isidoro Dias Lopes e no Mato Grosso ao General Bertoldo Klinger, enquanto o comando civil ficou com Pedro Toledo e Francisco Morato. Vencidos pela superioridade federal, (armas, munições, aviões, navios), os paulistas renderam-se no dia 28 de setembro de 1932.

Do ponto de vista militar, a Revolução Constitucionalista de 1932, foi um fracasso, contudo foi um sucesso do ponto de vista político, pois em 1933 Getúlio Vargas promoveu eleições para a Assembleia Constituinte que se instalou no dia 10 de novembro de 1933, sendo responsável pela elaboração de uma nova Constituição.

Etiquetas

Artigos relacionados

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios